Município de Castro Daire

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Indíce do artigo
Património
Igreja da Ermida
Igreja Matriz de Parada de Ester
Igreja Matriz de Ester
Capela do Calvário do Calvário
Capela das Carrancas
Capela de S. Sebastião
Inscrição do Penedo de Lamas
Casa da Cerca
Casa dos Aguilares
Solar dos Mendonça
Casas nobres de Mões
Ruínas da Muralha das Portas de Montemuro
Pelourinho de Rossão
Pelourinho de Mões
Pelourinho de Campo Benfeito
Pelourinho de Castro Daire
Todas as páginas

Ruínas da Muralha das Portas de Montemuro

 




As ruínas da Muralha das Portas do Montemuro é um sítio arqueológico e está considerado como Imóvel de Interesse Público desde 1974. A estação arqueológica é partilhada com o concelho de Cinfães.
No século XIII já era mencionado nas Inquirições de 1258. Segundo vários autores, o sítio apresenta parcos vestígios de um povoado fortificado da Idade do Ferro, podendo-se considerar como fazendo parte da cultura castreja. Posteriormente, o Castro terá sido reutilizado pelos romanos e durante a Reconquista por D. Afonso Henriques (alguns dos terrenos cincundantes terão pertencido a Egas Moniz).
As primeiras referências ao topónimo Portam de Muro surgem no século XIII, no foral que Egas Gosendes concedeu à Vila de Bustelo.
Portas refere-se a um ponto de passagem e Muro à muralha do povoado. Também era designado pelos pastores e caçadores como Muro das Portas ou apenas Muro.
Existe uma capela perto do local que apresenta características adoptadas pela religião cristã dos locais sagrados ou supostamente sagrados da época pagã.